5 de mar de 2010

Reforma Ortográfica


     Não se assustem, esse texto não será uma aula de português, mesmo porque ainda estou em fase de aprendizagem das novas regras, mas digo de antemão que tudo seria tão mais fácil se não tivessem inventado as benditas exceções.
     O fato é que tenho procurado me adequar às tais, mas vocês hão de concordar que agora algumas palavras ficaram visualmente "feias” sem o hífen (que não se usa mais nas palavras compostas com prefixo terminado em vogal, seguida de palavras iniciadas em r, c ou s). Acho que em nenhuma outra palavra, um risquinho fez tanta falta como em contrarregra e autorretrato, que saudade!
     Estendendo um pouco mais o assunto, quero falar da dificuldade com a pontuação nos meus textos, vez ou outra releio mil vezes, acho uma vírgula fora do lugar ou sinto falta dela em outros. Isso vai ser com certeza perdoado diante de tantas novidades na nossa língua, como por exemplo, o fim do acento agudo nas paroxítonas terminadas em ditongo aberto (ei, oi, eu). Meu cérebro vai demorar para acostumar com a ideia que idéia perdeu esse acento.
     E ao fazer a lista do mercado, procure lembrar que linguiça não leva mais o trema, mas o seu peso continua o mesmo sem os dois pinguinhos.
     Caso não tenha gostado do tema de hoje, não fique mal-humorado (olha uma exceção aí) pois quero continuar contando com seu benquerer (sem hífen).
     Poxa, já ia esquecendo, para os que são adeptos ao estrangeirismo, lembrem-se que na hora de escolher o nome dos filhos, podem contar novamente com as  letras k, w, y, que retornaram ao nosso alfabeto, mas não abusem por favor!


Um comentário:

HD disse...

Olá tia Néia!!!
Estou visitando seu blog, ameiiii!!
Tudo de muita qualidade e bom gosto.

Sempre passarei por aqui.

beijos