24 de jul de 2010

Flores para mim

     No final da tarde, antes de voltar para minha cidade, cumpro uma tarefa agradável e, ultimamente, frequente: passar na floricultura. Perco-me entre as tantas opções, as flores estão encantadoras, porém uma me chamou a atenção e movida pela sua beleza singular resolvo levá-la. Para quem? À mim mesma. Adoro que minha sala tenha sempre uma flor, uma pequeníssima extensão da natureza, um regozijo para os olhos e uma forma de perfumar, delicadamente, a existência.
     Hoje trago uma begônia de cor exuberante – laranja - contrastando magnificamente com o verde musgo das folhas. É uma planta delicada, quebra-se ao menor toque, em compensação, brinda-nos com sua suavidade ímpar e uma perfeição indiscutível na coloração, parece até que foi pintada à mão.
     Escolho um local propício onde possa receber uma pequena luminosidade e com o mesmíssimo esmero de uma mãe ao colocar o filho no berço, deixo-a lá com vontade de me desfazer em cuidados, absorta em êxtase pela sua beleza. A fragrância e o frescor de suas flores insiste em cumprir seu principal papel: quebrar a frieza de qualquer ambiente, tornando-o aconchegante e receptivo. Um hábito tão simples, mas significativo e que muitas vezes não se desenvolve por absoluta falta de cultivo.
     Coincidentemente, a sua belíssima cor combina, nitidamente, com os tons dourados e poéticos do pôr do sol de hoje – um panorama deslumbrante - faço uma rápida reverência à natureza e agradeço ao Criador por esse presente.

Um comentário:

Denise Portes disse...

Néia
Obrigada por sua visita ao Delírio da Bruxa, volte mais. Eu também gostei muito do seu blog, lindo seu texto. Voltarei mais para outras visitas.
beijo
Denise