14 de dez de 2010

Eterna sabedoria

     Sempre fui apaixonada pela cultura oriental, considero a maioria dos seus princípios de grande sabedoria, uma maneira inteligente de preservar a saúde do corpo e do espírito e nos ensina que as maiores grandezas estão nas coisas mais simples.
     No meu post Nipônica por um dia, relato a saga em me transformar por algumas horas numa japonesinha, uma missão quase impossível! Não adianta, tenho mais é que assumir essa minha ocidentalidade entranhada nas veias e fortemente visível nos fios dos meus cabelos. Tudo isso me veio à mente ao reler hoje os três conselhos da medicina oriental: comer a metade, andar o dobro e rir o triplo. Confesso que pelos quilinhos a mais na balança andei bobeando e invertendo a ordem dos fatores: devo estar comendo o dobro, andando a metade, pelo menos tenho procurando rir o triplo, que consolo! Como é fácil nessa nossa cultura não levar a sério alguns ensinamentos, mesmo que sejam imprescindíveis à saúde. Basta uma nuvenzinha no céu para a caminhada ser adiada, a dieta balanceada dura até o instante em que nos vemos diante de um prato suculento e o sorriso no rosto não resiste à primeira contrariedade. Enquanto somos ainda jovens não nos preocupamos muito com os nossos hábitos, consumimos o que nos causa prazer, embora nem sempre recomendável. Difícil é resistir aos saborosos chocolates, às apetitosas massas, isso sem falar na cervejinha gelada... hum... melhor mudar de assunto.
     Numa noite dessas estávamos - marido e eu - num jantar e nos sentamos à mesa com um casal de amigos japoneses, uma companhia altamente agradável, neles a simpatia é algo intrínseco , a delicadeza dos gestos e a gentileza das expressões são suas características natas. Sempre me encanto ao observar a forma como comem com tranquilidade, procuram sentir o sabor de cada alimento, demonstram uma serenidade incomparável, são mestres na arte de ouvir educadamente, que inveja!
     Esses hábitos tão simples, na correria do dia a dia, vão sendo esquecidos ou simplesmente não adotados, mas  fazem toda a diferença e dão boa qualidade à vida.
     Quanto mais admiro essa cultura vejo que tenho ainda muito a crescer, nunca é tarde para começar e chego à seguinte conclusão: um pequeno tempo vivido com sabedoria valerá mais que uma vida inteira sem ter tentado aprender.



Direitos Reservados

21 comentários:

Iara disse...

Néia querida quanta verdade, nossa sabedoria ocidental, às vezes é tão burrinha tadinha. Ando assim nestas tres leis, como pouco (mas porque detesto cozinha rsrsrsr), caminho pouco (mas porque ando sem tempo), mas tenho tentado me cobrar rindo. Então rio muito, muito mesmo, (espero que compense).
Valeu linda, vou colocar essas regrinhas em meu espelho e tentar segui-las direitinho.
Bjs

Camila Monteiro disse...

Tem pessoas que possuem alma de oriental... vc é uma delas... mesmo sendo daqui aprendeu a valorizar coisas que nos ocidentais nem sabemos que existe...
Adorei o post! Beijos

Adelaide disse...

Adorei a sabedoria oriental eu também preciso reverter meus habitos, pois a balança é terrivel fala que estou BEEEMMM acima do peso e como caminho bastante, acho que estou rindo pouco...kkkkkkkkkk
Sempre gostei da sabedoria oriental, mas tem coisas como as leis de controle populacional que me deixam pasma,e me fazem pensar o que faz com que um povo tão sábio possa ser tão cruel.
Grande abraço

orvalho do ceu disse...

Olá, Néia querida
Também gosto da mística oriental...
Bjs de paz.

Kell Alves disse...

De fato, a cultura oriental se impõe à nossa, pela sabedoria e simplicidade. Infelizmente nossa cultura apóia-se no imediatismo, no movimento constante, roubando de nós os preciosos momentos de reflexão e cuidado para consigo e com os outros.

Inaí Souza disse...

Adorei o teu blog! Estou seguindo.
Obrigada pelo comentário no meu blog, espero que volte mais vezes.
Abraço!

Mônica disse...

Néia
Eu não quero parar de comentar nem de ler, mas minha irmã Andrea está trabalhnado em Oliveira e nos dias que ela estyá lá eu tenho que estar aqui na clinica.
Eu estou gostando mas tenho medo de colocar virus no computador dela mas ela tem um que eu posso clicar, porque els são seus instrumentos de trabalho. Porque é clinica de radiografia odontologica.

Eu aprendi a gostar da cultura japonesa porque mamae sempre dizia sobre uma colega japonesa que ela tinha tidoem 1954 e agora com Elisa e Alexandre e Déa, amo esta cultura, eles nos mostram umJapão maravilhoso, digno de morar lá. E as pessoas são calmas, o oposto de mim
sou muito agitada, como gostaria de ter calma.
com carinho MOnica

Mônica Bif disse...

Oi Néia! Minha primeira vez aqui no seu Blog e ameiii tudo. Parabéns, vc escreve muito bem, sempre é bom encontrarmos pessoas legais nesse lugar tb. Já estais convidada a passares lá no meu Blog tb, ficaria muito feliz de tê-la por lá!!! Abraços, fica com Deus e sucesso!!!

LILIANE disse...

Néia
faço tudo ao contrário (ai que triste)
quero mudar isto, e percebo que não é pela força que conquistamos as coisas, mas pela delicadeza.
Amiga querida, que delícia é estar aqui.
um abraço XXXXXXXXXXXXXx pra você, rsrs rsrs rsrs (tô tentando rir em triplo)

Betha Mendes disse...

Néia, você me faz refletir: será que somos, pelo menos inteligentes, se não sábios? como precisamos nos "trocar" até que cheguemos aos ensinamentos da cultura ocidental. gostei muito do texto, até anotei os conselhos da medicina oriental!

bj

Betha

Denise Portes disse...

Néia querida,
Os ocidentais, para mim também, são como um eterno aprendizado. A atitude na vida tem que ser de aprendizado. Tentar ser cada dia um ser humano melhor é estar evoluindo e dando sentido ao que viemos fazer aqui.
Um beijo com carinho
Denise

Lua Nova disse...

A mais pura verdade. Sou admiradora da cultura japonesa e muitas vezes quis tornar-me mais "orientalizada", mas o sangue latino realmente não me permitiu. Mas é possível sim, tentar seguir pelo menos alguns de seus passos, como saborear a comida e alguns outros hábitos muito saudáveis. Principalmente hoje em dia em que estou mais tranquila, fora daquele ritmo alucinado de criar filhos e trabalhar fora. Uma outra coisa que me chama muito a atenção, é a construção das casas e sua decoração. Me encanta.
Querida, que bom que estou por aqui. Vc escreve muito bem e seus textos são muito agradáveis de se ler.
Beijokas.

evanirgarcia disse...

Neia ,encontrei seu blog e ja seguindo você dois motivos .
Uma postagem rica em sabedoria que muito tem a nos ajudar.
Segundo motivo ,Neia é assim que chamo minha filha FICAREI MUITO FELIZ SE ME SEGUIR TAMBÉM ,pois minha filha no Ano que vem volta pra esse Mundo lindo de blogueiros.
um beijo carinhoso,Evanir.
www.fonte-amor.zip.net

welze disse...

minha doce ou dulci Neia. Tão menina, tão doce e tão sábia.

Tetê disse...

Neia... a carapuça serviu direitinho! É o meu número! Até que rir, eu até exagero! Mas preciso comer um quarto do que como e caminhar um quíntuplo a mais! Essa nossa cultura "hot dog" é fogo, a gente não está nem aí para os bons hábitos, não tem hora para nada, odeia a rotina e vai que nem canta o Zéca Pagodinho: "Deixa a vida me levar"! Valeu pelo sinal de alerta: vou me policiar! Obrigada pela visita ao Livre Pensamento! Bjks Tetê

" ESSÊNCIA ESTELAR MAYA " disse...

Olá Néia.
Que delícia de texto.
Dissestes todas as verdades.
Quando me lembro do comportamento de algumas amizades orientais que tive, é incrível, mas a calma, tranqüilidade, paz...sempre foram suas características.
No tom de voz quando conversam e até na forma de comer.
E seus ensinamentos que nos transmitem sempre muita sabedoria e autoconhecimento.
Parabéns pela postagem, dissestes realmente TUDO.
Um grande beijo em seu coração!

Flor da Vida disse...

Amiga querida, seu texto é bastante reflexivo e verdadeiro... E realmente, nunca é tarde pra aprender e colocar em prática aquilo que nos faz bem... Carinhos e beijos pra ti.

Mônica disse...

Néia
Estou de volta pra dizer que hoje quinta feira seu dia seja musial
com carinho MONica

Mariazita disse...

Néia, querida
Gostei muito de seu texto.
De facto a cultuta oriental é, em muitos aspectos, superior à ocidental, principalmente no que se refere à parte espiritual.
Eu sou uma pessoa extremamente calma; talvez por isso aprecio tanto a suavidade de gestos que os carateriza.
De resto, minha querida, o aprendizado da vida não se faz num só dia, mas sim um bocadinho em cada dia de nossas vidas.

Continuação de boa semana. Beijinhos
PS - Penso que vc vai gostar do meu post de hoje...

Irene Moreira disse...

Déia

Realmente a Cultura japonesa me impressiona e sou apaixonada por les. Um dos meus sonhos é conhecer o Japão.
Quando vou ao blog do Alexandre Mauj - Lost in Japan viajo em seus post e fico dislumbrada com tanta beleza, tradição, cultura e respeito aos idosos e crianças.

Falar em comer e malhar preciso ficar no malhar direto e comer de vez em quando.

Beijos no seu coração

José Vitor disse...

Néia, tua forma de escrever é amplamente sutil, levi[osa], que eu li com facilidade todas as frases.
"Tudo isso me veio à mente ao reler hoje os três conselhos da medicina oriental: comer a metade, andar o dobro e rir o triplo. Confesso que pelos quilinhos a mais na balança andei bobeando e invertendo a ordem dos fatores: devo estar comendo o dobro, andando a metade mas, pelo menos, tenho procurando rir o triplo, que consolo!"

abraços