20/01/2011

Bem Me Quer...

Quando eu era uma pré-adolescente - não faz muito tempo, pós Neolítico - não podia ver uma flor à minha frente que queria tomá-la nas mãos para brincar de Bem Me Quer, Mal me Quer. Atitude normal naquela fase em que algumas paixões relutantes já palpitavam o meu tão jovem e puro coração.
As margaridas sempre foram minhas preferidas, suas pétalas bem definidas eram arrancadas uma a uma, exigia-se muita calma nessa hora, caso num descuido saíssem duas ao mesmo tempo a brincadeira ia por água abaixo. Com esse divertido ritual, onde a pessoa amada era trazida em pensamento, mantinha-se a crença serena que ali estava sendo decidido o destino de um amor.
Esse hábito me tirava do tédio infinito que nessa idade era constante e perdurou até o dia em que minha mãe, com espírito sagaz, flagrando-me, descobriu não ser inseto algum que estava devastando o seu adorado jardim, tratou logo de chamar minha atenção, “menina, onde já se viu acabar com meu canteiro de margaridas assim!” Ela me conhecia muito bem, certamente estava de olho na sua caçula que, precocemente, devia estar arrastando as asas por alguém.
Quanta saudade dessa época tão bem vivida onde, numa imaginação borbulhante, com a flor já despetalada nas mãos, sabia se a felicidade era certa ou não.
Nos tempos atuais, pela inconstância dos sentimentos, onde dizer “te amo” anda tão banalizado, quem chegar ao final da flor com a pétala do Mal Me Quer na mão, não ficará nem um pouco consternado, no semblante apenas um olhar indiferente e a flor, meramente, lançada ao chão.
Eu quero voltar a tirar pétalas, sorrir quando a do Bem Me Quer sobrar e sair saltitando feliz com a minha margarida na mão.


Direitos Reservados

28 comentários:

Leci Irene disse...

Néia, eu sou ainda uma menina kkkkkkkkkkkk, pois ainda adoro pegar uma flor e fazer o tal de Bem me quer, mal me quer....................... e se dá mal me quer, colho outra flor e torno a repetir o ato!!!!!!!!!!!!

Marinha disse...

Que bela lembrança, Néia!
Nos dias atuais, a certeza de um amor correspondido não está nas pétalas das flores, e infelizmente nem nas pessoas. Amor de verdade é quase uma loteria, e como nem todos vencem nos "jogos",...
Agradeço o carinho lá no blog!
Bjo e paz, querida nova amiga.

Flor da Vida disse...

Doces recordações... Ter algo assim tão belo para relembrar nesses tempos onde tudo é banalizado, já se é um grande consolo minha amiga. Amei te ler! Deixo carinhos pra ti... Bjsss

Eu, Damaris, para mim... disse...

Néia,
eu adoro toda esta simplicidade do amor. Que pena que hoje está tudo tão confuso, amores eternos acabam no outro dia, ou não suportam o tempo...Mas o amor verdadeiro ainda existe,felizmente, eu vivo um...

BIA disse...

Oi Néia!!!
A gente volta no tempo com esse teu texto, me fez lembrar uma época de pureza, quando ainda não via que no caminho encontraríamos alguns espinhos e que nem tudo eram flores, mas apesar das decepções ainda encontramos raras pessoas que espalham os bons sentimentos. Que o bem querer sempre predomine.
Bjus
Bia

Chica disse...

Que lindo post e as lembranças que nos evoca...Quem não fez isso? rssss....nem pensávamos nas pobres flores...

Muito legal lembrar disso!beijos,chica

Kell Alves disse...

"Eu quero voltar a tirar pétalas, sorrir quando a do Bem Me Quer sobrar e sair saltitando feliz com a minha margarida na mão"
Para mim essa a parábola perfeita para os meus anseios no momento. Essa parte levo comigo pra o Twitter viu?

Valéria disse...

Oi Néia!
De tanto despetalar flores no bem me quer mal me quer, encontrei um amor que vai completar 33 anos de existência...E que seja eterno enquanto dure...aqui recordei minha adolescência!

Iara disse...

Néia, era bom isso mesmo, eu lembro bem.
Mal me quer, Bem me quer, e o garoto em questão naquelas pétalas era sempre nosso principe encantado eterno.
Que época boa, tudo era tão fácil, tão inocente, tão puro.
Porque não podemos crescer e continuar com a mesma pureza no coração e permitir sempre que a Margarida nos de o recado para a felicidade.
Lindo texto, bela lembrança.
Beijos

Zéza disse...

Oi querida! E quem nunca despetalou margaridas? Na falta delas eu usava até as rosas que minha avó cultivava com tanto esmero! Vim agradecer a sua visita e avisar que já atualizei! Estou esperando sua visita!! Beijos azuis!

Lúcia Soares disse...

Bons tempos, onde desfolhar a margarida era politicamente correto. Hoje é um vandalismo...rsrsr
Já desfolhei muitas e muitas! E adorava acabar no bem-me-quer também, pois afinal era isso que procurava! Uma resposta, dada pela singela flor, que se despetalava por uma boa causa. Devia ser a flor dos namorados! rsrsr
Bj

Carla Farinazzi disse...

Oi Néia!

Poxa, que saudade disso tudo! Era tudo tão puro e simples, não se precisava ter a pessoa por perto, o Bem-me-quer ao final já a trazia pra nós...
Lindo texto, minha querida, me trouxe recordações muito bonitas de um tempo que já foi e não voltará mais...

Beijos

Carla

" ESSÊNCIA ESTELAR MAYA " disse...

Néia querida,

Quanta sensibilidade!!!
Que linda descrição fizestes de uma fase tão gostosa e tão pura...
Como era bom acreditar no Amor com a inocência da idade.
Realmente dá muita Saudade.
Mas, não posso reclamar da vida.
Meu bem-me-quer acabou parando na minha vida e está até hoje comigo.
Um grande beijo em seu coração!

welze disse...

fiz muito disso, minha querida. chegava a comer petalas quando percebia que a última seria malmequer. Ilusão gostosa, que nos fazia pensar nos dias que viriam. nos amores que nos seriam ofertados pela vida. Ô TEMPO BOM, adorei sua postagem. um grande beijo

Assis Freitas disse...

atualmente o politicamente correto acaba o romantismo das pétalas,

beijo

Lívia Azzi disse...

Hoje foi dia de Margarida na blogosfera, um dia de Bem me Quer, sair saltitante com a flor na mão e o coração batendo forte de emoção!

Doce escrito, Néia!

Beijos...

Denise Portes disse...

Néia querida,
Essa é uma pureza que eu não quero perder nunca, ainda que eu não brinque mais de tirar as pétalas das margaridas...
Eu quero continuar dizendo eu te amo, para as pessoas que amo. Linda lembrança.
Um beijo e o meu carinho
Denise

Pai do Coração disse...

As vezes sinto que estou longe de mim mesmo, da minha essência. Quando olho para o ceú, como esta manhã, e percebo a Lua cheia em pleno dia, percebo quanto tempo não a via, quanto tempo não olho ao redor.

Marinha disse...

Amada, voltei para desejar um final de semana de prosa e poesia e sorrisos em teu caminho.
Bjo e paz.

Mônica Bif disse...

Puxa, que inspiração!!! Muito bom sempre passar por aqui e ver tanta beleza e leveza nos seus textos, é muito bom! Bom, vc não era a única menina a arrancar as margaridas do jardim e ficar brincando de bem-me-quer mal-me-quer, eu vivia no jardim da minha vó fazendo isso, ela cultivava lindas margaridas, sabe, daquelas grandes, o nome da minha vó é margarida, rsss, sério! imagina então o quanto ela amava suas margaridinhas.... Rssss... vez ou outra tava eu lá, olhar distante, pensamento naquele menino, primeiros sentimentos, coisa q todo mundo passa, mas passa... agente cresce, tem um milhão de outras coisas pra fazer e pensar, e as vezes esquece da pureza das flores, do primeiro amor, do primeiro sentir pulsar forte o coração... quero essa inocência pra mim, essa pureza sem medo de ser feliz, sem medo de parecer infantil, ou sei lá o que for, só quero ser feliz na pureza real de um amor verdadeiro. Bjkinhas!

Sotnas disse...

Olá Néia, desejo que tudo esteja e continue bem contigo!
No meu humilde modo de entender certas coisas, eu diria que nada tão grave a impede de reaver sua menina criança, deixar que ela faça mais que o adulto em você. Pra ser mais claro, quem não deve gostar muito serão as margaridas, já imaginou as pobrezinhas todas desfolhadas e murchas, será um tanto triste!
Bela postagem, texto inspirado que inspira quem o lê!
Cada vez me sinto melhor aqui no seu Eterno cantinho de belos textos e imagens!
Obrigado pelas visitas e comentários sempre gentis e carinhosos. Desejo a você e todos ao redor iluminada e feliz existência sempre, grande abraço e até mais!

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Néia, lembrar detalhes de momentos assim na minha opinião é ter dentro da alma e o coração um tanto daquela inocência, é sentir saudade de poder ser a gnte mesmo sem ter medo de nos magoar, é resgatar a juventude, melhor dizendo, é saber que a juventude indepente da nossa idade cronológica...
Um abraço na alma...bom fim de semana
Beijo

Carla Ceres disse...

Que blog mais fofo! Você merece que todas as margaridas tenham pétalas ímpares. Beijos!

Inaie disse...

saudade das margaridas, saudade do bem me quer...

ONG ALERTA disse...

Que todas crianças possam aprender a fazer bem me quer é para sempre...beijo Lisette.

LILIANE disse...

que legal, Neia
então vou mandar um vaso enorme cheio de margaridas pra você.
eu não arrancava flores não.
mas tinha um tal de SAPINO que era um jogo e meus cadernos eram lotados dele.
ainda bem que deu tudo errado, senão eu estaria casada com cada tranqueira. ui
beijos.

Fernanda Fernandes disse...

adorei seu blog...seus ´posts são do bem e da paz...amo isto!

beijos
fernanda

CÉLIA disse...

Néia, tia querida!!!!chorei ao ler palavras tão ricas que me levou ao túnel do tempo. E que me fez imaginar como a Vovó estaria falando com você. Bjs!!!