21 de jul de 2011

Sair de cena faz parte do show!

     Dizem que para o ator coadjuvante o instante mais difícil numa encenação teatral é o momento em que ele precisa se obscurecer para que o protagonista apareça de forma evidente. Apesar dos papéis serem previamente estabelecidos, uma pequena ponta de ciúme, até mesmo inconscientemente, reina nesse instante, afinal a trama não se desenvolve sem a participação de ambos, tanto um quanto o outro são peças fundamentais. Apesar dessa dependência mútua, os holofotes recaem, geralmente, apenas sobre o ator principal.
    Também a vida, em alguns momentos, imita essa mesma situação, onde sair de cena é preciso, mesmo que a vaidade e o coração insistam em dizer que não. Afinal ter a percepção que a sua presença está passando dos limites é uma atitude inteligente e mesmo ficando um imenso vazio pode ser do “espetáculo”, a salvação!

30 comentários:

Bixudipé disse...

Muito bacana a forma que abordou o tema; como trabalhou com a metáfora.

Adorei; abração.

Rô... disse...

oi Néia,

muito bem colocado,
porque a maioria mesmo percebendo,
que a ausência é a única
salvação,
não abre mão da permanência,
para satisfação do próprio ego,

renúncia é sinônimo de maturidade!
beijinhos

Andréia B. Borba disse...

Lindo, querida...
Às vezes falta-nos sensibilidade para percebermos quando é hora de sairmos de cena...
Um beijo enorme no seu coração!
Déia

BIA disse...

Oi Néia!!!

Bom senso é tudo!!! Mas o que mais tem nesse mundo são pessoas insensíveis, que desconhecem o que é percepção, falta sensibilidade e ética em várias momentos da vida, sei lá, as vezes falta educação também!!!
Bjus
Bia :)

Lúcia Soares disse...

Oi, Néia.
Será que eu saí de cena pr excesso de vaidade? rsrrs
Não foi, certamente.
Mas penso igual: precisamos saber o momento de dar lugar a outro. Nem que esse outro seja a gente mesmo, mas modificada.
Saudade de escrever!

Maria Célia disse...

Olá Néia, boa tarde
Bacana suas palavras. Saber reconhecer o momento certo de tirar o time do campo requer coragem e discernimento.
Bjos

Valéria disse...

Oi Néia!
Como vemos isso acontecer!
O ego inflado de alguns faz com que o bom senso interfira no seu comportamento e elas querem sempre se destacar. Ser o tal, não deixam nem os outros falarem. É o fim!

Beijos!

Nina Pilar disse...

Amigos um belo dia do amigo pra vcs... na musica do milton nascimento e fernando brant a belíssima _Canção da América_, nada pode representar melhor um amigo e a sua importância...

Canção da América

Amigo é coisa pra se guardar
Debaixo de sete chaves,
Dentro do coração,
assim falava a canção que na América ouvi,
mas quem cantava chorou ao ver o seu amigo partir,
mas quem ficou, no pensamento voou,
com seu canto que o outro lembrou
E quem voou no pensamento ficou,
com a lembrança que o outro cantou.
Amigo é coisa para se guardar
No lado esquerdo do peito,
mesmo que o tempo e a distância, digam não,
mesmo esquecendo a canção.
O que importa é ouvir a voz que vem do coração.
Pois, seja o que vier,
venha o que vier
Qualquer dia amigo eu volto a te encontrar
Qualquer dia amigo, a gente vai se encontrar.

depois disso é esperar que nossos corações emocionem-se com nossas amizades como emocionamo-nos qdo ouvimos esta declaração de amor, tão maravilhosamente interpretada na voz do meu querido milton nascimento.

e esperar que cada um de nós escute o que fala o nosso coração...ate pq tudo que eu queria dizer eles já falaram, faço minha a voz deste gigante da nossa musica.

beijinhos queridos um belo dia do amigo todos...

Claudia disse...

Maravilhosa postagem...parabéns!
http://claudiaorma.blogspot.com

Daniele disse...

Delicadeza e sutileza são suas características.
Sempre usando sua forma poética para tratar de assuntos cotidianos.
Eu diria logo, "não tem simancol!

Oras sou uma lady, oras uma ogra...rs

Bjs

Nara disse...

Muito boa a postagem, belo pensamento exposto em palavras...

Abç,
Nara...

Cacá - José Cláudio disse...

Oi, Néia, Muito boa esta abordagem. Se tem uma coisa que faz parte do meu show é o tal de sair de cena. A vida foi me forçando sempre a isso, então a minha formação de caráter foi ficando tão desprovida desse tipo de vaidade que o que mais me incomoda é se eu estiver incomodando alguém ou tirando-lhe qualquer visibilidade. Abração. Paz e bem.

Camila Monteiro disse...

Poxa que interessante esse post! As vezes sair de cena é a melhor opcao para levar as coisas de maneira certa. Me colocou pra pensar viu.
Beijos

Louro Neves disse...

Conceito ponderado do que é viver, Néia.

Felicidades!

Vivian disse...

Bom dia,Néia!!

Pura sabedoria!!!Um texto lindo e sensível, que inspira a reflexão! Sair de cena as vezes é necessário e benéfico! E ciúmes e inveja...estes sentimentos não levam à nada de bom!
Beijos pra ti!!
Bom final de semana!

Denise Portes disse...

Néia,
Eu gosto do que você escreve, mas não concordo. Não acho que devemos sair de cena. Assim como no teatro o texto é conversado e entendido, para que o espetáculo possa ser um sucesso. O ator coadjuvante é uma escada para o brilho do ator principal, sem essa escada jamais o ator principal vai brilhar. Acredito que assim é na vida, quando chega o momento de sair de cena de uma situação é preciso que ambos estejam afinados na mesma sintonia para que fique o entendimento e a transformação.
Um beijo
Denise

Mônica disse...

Neia
Mas sair de cena é meio custoso não?
Eu até que não gosto de ser protagonista de minha vida não.
Mas tem hora que ficar muito escondida é ruim.O dificil é saber ser equilibrada na vida
OBS: tio Nelson voltou pro hospital.Está com febre.
Estamos esperando noticias.

Tetê disse...

A arte e a vida andam de mãos dadas, né? No palco é mais fácil de saber a hora de sair de cena. Na vida é preciso estar antenada prá sair de fininho e, não é fácil não! Néia, obrigada pela visita ao Livre Pensamento! Bom final de semana! Bjks Tetê

Socorro Melo disse...

Oiê,

Amiga, que inspiração abençoada é a sua. Seus textos, tão pequenos, tem uma grandiosidade impressionante. Você tem uma sensibilidade apurada. Eu queria escrever assim, pois, sou muito objetiva... e acho que tá na hora de eu sair de cena, né? kkkk

Beijos e bfs
Socorro Melo

Mabel disse...

Olá! Você sempre com maravilhosos posts! A gente precisa estar atenta para entrar e sair de cena na hora certa! É muito bom vir aqui! Obrigada por sua visita ao Mensagens do Anjinho! Bom final de semana! Paz e Bem! Beijos Mabel

Mara Melinni disse...

Olá, Néia!

Suas palavras me fizeram pensar sobre as minhas ações, minhas posturas, enfim... Sobre coisas que, na verdade, não temos o olhar crítico para aceitar, mas são necessárias na vida.
Obg pela visitinha no meu blog!
Um lindo fim de semana e até breve!

Bjsss

Leo disse...

e quem sair de cena no momento certo fica...quando ultrapassa a hora de sair de cena azeda e cai no esquecimento. na vida e na mídia...

beijo Néia!

。♥ Smareis ♥。 disse...

Néia que texto lindo e bom de refletir. Quantas vezes a única solução e sair de cena. Mas muito não consegue dar esse passo. Talvez por teimosia, vaidade, ou achar que sabe tudo.Eu sou mestrada nessa de sair de cena quando necessito. Parabéns pela forma poética que abordou o assunto. Um abraço e ótimo fim de semana.

Evanir disse...

A esperança e a alegria de viver esta
nos atos de amor que praticamos.
Quero viajar todos os dias semeando
a paz no coração dos amigos (as)ser
apreciada por minha presença.
Quero jogar flores por onde
eu passar.
E em silêncio deixar a palavra
mais bonita.
(Creia em Deus porque viver é fantástico.)
Um beijo na alma e no coração com carinho,,Evanir,

Isadora disse...

OI Néia. Perfeito seu post. Quantas vezes precisamos sair de cena, para salvarmos o espetáculo que é a vida. Ainda que às vezes seja difícil e não saimos no tempo certo.
Um beijo

Vivian disse...

Bom dia,Néia!!

Vim lhe desejar um ótimo domingo!
beijos!

Livinha disse...

Olá Néia!!

Sair de cena é preciso quando estamos apenas de passagem a cumprir nossa missão. Tudo a seu tempo, o haver de nossas falas, de nossas presenças, como num livro cada capítulo, atores que somos no teatro da vida e a ele submissos...

Sempre muito reflexivo o teu pensar.
Gosto disso.

Senti saudade. Perdoe o silêncio, das vezes nas tuas páginas sou coadjuvante, enquanto na minha protagonista, o que me leva das vezes dar uma saída, outras atuações me chamam o que faz parte da vida...

Ternuras de beijos pra ti

Livinha

pensandoemfamilia disse...

Olá. Estou aqui pela primeira vez e este seu texto me chamou atenção, pois "sair de cena" é uma reflexão profunda e que vc coloca bem no sentido da vaidade pessoal, mas é necessário se ter sensibilidade para tal, pois para muitos o "sair de cena", no interagir, afetar e ser afetado, trocar e tocar os corações, pode dar um ponto final ao espetáculo da vida.
bjs

Mônica Bif disse...

Oi Néia, com certeza, é uma atitude muito sábia e prudente saber quando se tem que sair de cena, mas sempre bate aquela dorzinha no coração, agente sempre quer, nu fundo, no fundo, ser protagonista sozinhos das nossas histórias, só que a nossa vida é construída de alicerce em alicerce, de base em base, nunca sozinhos, devemos saber que nunca será só de nosso mérito a glória de nossas vitórias... Bjs Flor!!!

Rejane de Fátima Pedrosa Ramos disse...

Perfeito!! maravilhosamente abordado o tema . Gostei tanto , que o levei para meu Blog : http://rejane-enajer.blogspot.com.br/ com os devidos créditos.

Caso você não goste do que fiz , é só me comunicar, que eu retirarei ok?
Grata pela compreensão.
Rejane