10 de nov de 2011

Godofredo, o tenor!


   
     Seu porte era diminuto, os pequeninos pés tornavam os seus passos curtos e inseguros mal dando equilíbrio ao corpo. Embora já nascido assim, Godofredo trazia uma dor, alguns diziam ser inveja dos outros, mas quem o conhecia bem sabia que ele era incapaz de cultivar esse sentimento. O olhar voltado para o alto denotava o seu desejo de ter as pernas compridas, assim enxergar bem longe e nunca mais ser taxado de baixinho, também sonhava ter uma caixa torácica capaz de produzir uma voz vibrante a tal ponto que provocasse admiração àqueles que o ouvissem cantando. Godofredo queria ser barítono! No entanto, todos da sua família eram de pequena estatura, de voz fina e estridente, alguns conhecidos arriscavam a dizer que ele, o mais novinho, era até engraçadinho, o que somente aumentava o seu complexo de inferioridade.
     Além do ar franzino e delicado, todos percebiam que Godofredo também não era bom das ideias, não escolhia dia e nem hora para mostrar que gostava mesmo era de cantar. Fazia questão de mostrar seu talento pelo menos três vezes durante a noite, nas redondezas ninguém mais conseguia dormir com sossego. Não pensem que ao longo do dia era diferente, Godofredo tinha pavor de ficar mais de uma hora sem treinar suas pregas vocais e ouvi-lo era comum a qualquer momento. Alguém, certamente, irá perguntar: a que horas o incansável cantor dormia? Então vou lhes dizer que o mesmo era tão diferente que até o sono não se fazia necessário em nenhum momento.
     Alguns, quem sabe muitos, já impacientes com Godofredo se arriscavam a dizer que qualquer dia, ou melhor, na calada de uma noite dessas dariam um fim às suas cantatas irritantes. Isso não seria nem um pouco difícil, afinal ele tinha por hábito dormir numa árvore de galhos baixos e tomá-lo num único bote seria uma tarefa fácil.
     Nem fora preciso armar planos mirabolantes para dar cabo à vida de Godofredo, um belo dia a sua dona não mais o suportando, pois a sua paciência ou os seus tímpanos também haviam sido corroídos pelo pequeno tenor, resolveu enviá-lo a um parente querido, digo que, sem dúvida, este foi o presente de grego mais autêntico já visto por mim.
     Não sei se em outros terreiros ele foi feliz, o certo é que nunca mais se ouviu falar de Godofredo - assim batizado por mim - o impertinente galo garnizé, o bichinho de estimação da vizinha, sei apenas que agora, finalmente, eu posso dormir!



Direitos Reservados

26 comentários:

ღα૨gѳђ ખ૯૨ท૯૮ઝܟ disse...

Uma crônica leve, gostosa de ler e de sorrir.
Beijos e obrigada por partilhar.

Suzy Rhoden disse...

Néia, que excelente começo para seu novo projeto! Amei a crônica, surpreendente! Eu, que nasci e cresci no interior, já adormeci - ou tentei fazê-lo - ao som das cantatas dos primos do Godofredo... Eles realmente nos dão a oportunidade de exercer a paciência!

Admiro sua 'orgulhosa simplicidade', Néia, e o amor que você tem pelas coisas simples da vida interiorana. Espero ansiosamente pelas próximas crônicas, com esse olhar ao mesmo tempo tão simples e tão elegante que você tem para a vida e 'as vidas' que perfazem seu caminho.

Beijos.

Denise Portes disse...

Néia,
Eu estou aqui rindo desse galo que certamente te deixou saudades. Fico torcendo pelo novo projeto.
Um beijo, com carinho
Denise

Carla Ceres disse...

Oi, Néia! Gostei da crônica. Um amor! Que venham as próximas. Beijos!

BIA disse...

Oi Néia!!!

Que belo projeto!!! Nos brindando com seus textos maravilhosos compartilhando cultura, sabedoria e crescimento geral.
Bjs
Bia :)

piedadevieira disse...

Estou me organizando no blog e custei achar você.Estava sumida.
beijos

Sonhadora disse...

Minha querida

Como sempre é um prazer ler os seus textos...voltarei para ler mais.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

Vanessa_Oliveira disse...

Linda crônica ^^
senti saudades da minha terra natal.
^^
amei o nome do projeto
Orgulhosa simplicidade,
parabéns sempre querida, por ter tanta doçura n'alma e por compartilha-la com a gnt.
beijos ***

Clau disse...

Boa tarde Néia :)
Adorei o novo projeto.
E o começo foi maravilhoso.
(Confesso que ri um monte!!).
Muito boa essa crônica!
Você como sempre,consegue prender a atenção do leitor,com sua escrita refinada e ao mesmo tempo fácil de entender.
Bjs!

Mônica Bif disse...

Oi Néia!!! Rssss, Eitá Godô pensava só em acordar a dona e a vizinhança inteira então? OOO DOM! kkkkkkkkk... Muito legal ver vc escrevendo crônicas tb, ainda mais de coisas interioranas, que tb amo de paixão!!! Bju e sucesso sempre!!!

Valéria disse...

Oi Néia!
Tadinho!rss
Adorei seu ínicio de projeto, já foi com o pé direito!
Moro na cidade e aqui perto tem um coitado, que desorientado, canta fora de hora, mas não chega a incomodar, pelo a mim.rss
Beijinhos e sucesso!

Nara disse...

Nossa, que legal! Texto gostoso de ler, dá pra imaginar até - tudo bem que inicialmente um menino, mas no final virou um galo bonito na imaginação!
Adorei o novo projeto! Parabéns pela iniciativa e sinceridade que dá pra sentir ao ler cada palavra sobre as suas histórias vividas...*-*

Abraço,
Nara

Célia Gil, narciso silvestre disse...

è sempre com muito gosto que leio os seus maravilhosos textos! Bjs

Cadinho RoCo disse...

Gostei do Godofredo.
Cadinho RoCo

✿ chica disse...

Delicia de crônica, adorei ler e a simplicidade é o máximo sempre...beijos,beijinhos ao Godofredo,rsrs chica

Camila Monteiro disse...

uhauahauha que otimoo. Achei que era um cara anao kkkkkk.
Nuito bom Néia! Amei!

José María Souza Costa disse...

Néia, amei ler o seu texto. afavel, agradavel. Não sei se o jeito simples vagueia vida a fora. Mas, de uma coisa eu tenho certeza, é com simpliscidade, que desbravamos os grandes amores...kkkkkkk
Parabens

Vera Lúcia disse...

Olá Néia,
Crônica adorável! Uma leitura deliciosa.
Seu modo de escrever é muito elegante.
Gosto muito de seus textos.
Parabéns!
Beijos.

Vivian disse...

Olá,Néia!!

Adorei!!!rsrsrsr
Tive um deste como vizinho também...rsrsr
Mas a minha sorte é que acordo antes do galo!!
Este deve ser preguiçoso, ou não gosta tanto de cantar...
Beijos pra ti querida!!!
Tudo de bom!

piedadevieira disse...

Adorei, Neia.
Que bom ler hoje crônicas tão deliciosas e tão bem escritas.
beijos

Sheyla Xavier - DMulheres disse...

Néia,
Maravilhoso post, rsrsrs Leve e bem escrito!
Parabéns!
bjokasss
Obg pela visita no DMulheres!Volte sempre!

Cacá - José Cláudio disse...

Ah, Neia, que delícia de história! É das coisas que mais gosto: a criação a partir das observações e vivências cotidianas contadas com tanta graça e talento tal qual você faz. Um abraço e ótimo fim de semana.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Uma crónica que faz sorrir.Gostei.
Bom fim de semana.
Bj./Irene

Flor da Vida disse...

Amada, sua crônica ficou maravilhosa!
Aplaudo-te sempre!!!
Até porque sempre fui, e penso que sempre serei interiorana, amo minha cidadezinha, e amo mais ainda a chácara onde moro, rsr.

Amiga, obrigada de coração por seu carinho, pela sinceridade que sinto vir de ti.

Deixo carinhos mil!
Beijos de Luz e Paz

。♥ Smareis ♥。 disse...

Néia, adorei a crônica, e esse galo Godofredo é espetacular rs. Sucesso nesse projeto. Beijos e ótima semana.

Socorro Melo disse...

KKKKKKKKKKK

Muito boa essa! Que criatividade amiga! Parabéns, ficou ótima a crônica.

Beijos
Socorro Melo