19 de dez de 2011

Desculpe-me, foi engano!

(A crônica a seguir também será incluída no projeto "Orgulhosa Simplicidade", sendo assim, estou postando-a novamente).

- Alô, quem está falando?
- (respondo)
- É da casa da irmã Adelina?
- (respondo)
- Ah! Não é? Por acaso você sabe o telefone da irmã Adelina?
- (respondo)
- Como é seu nome mesmo?
-(respondo)
-Mas você mora perto da casa da irmã Adelina?
-(respondo)
-Então tá, desculpe-me, não sei se sou eu ou esse telefone que está ficando maluco.
-(respondo)
     Esse é o diálogo que tenho travado há um ano e meio, quase dois, com uma senhora que liga na minha casa, ao menos uma vez por semana, geralmente, quando o sol está prestes a ir embora. Nem procuro entender porque ainda atendo e respondo suas mesmas perguntas há tanto tempo. Creio que estou criando laços de uma amizade quase anônima. Com certeza, trata-se de uma pessoa cuja idade anda a passos largos, compenetrada nas suas inquietações e ansiosa por falar com a amiga no fim do dia, nem se dá conta que está invertendo a ordem dos números, certamente.
     Já cogitei em conhecê-la pessoalmente, o que seria muito fácil numa cidade com tão poucos habitantes, pensei até em presenteá-la com uma agenda, daquelas onde se anota com letras garrafais os números de telefones por ordem alfabética (A de Adelina). No entanto, pergunto-me: para que constrangê-la assim e trazê-la à realidade de uma forma tão indelicada? Não posso privá-la desse passatempo semanal (ligar primeiro no número errado e conversar um pouquinho comigo). Os idosos, com suas fragilidades, andam cada vez mais carentes, às vezes, têm somente a solidão como companhia, então dialogar com quem não se conhece, apesar dos riscos, pode ser um alento.
    Nunca quis perguntar seu nome, estou tão familiarizada com sua voz, prefiro visualizá-la mentalmente: cabelos grisalhos, no rosto algumas rugas da experiência, o olhar cansado refletindo uma vida de trabalho, no corpo uma roupa de cor neutra realçando a suavidade e meiguice do seu jeito de ser. Vejo tudo isso pela maneira terna com que fala comigo e como ao final, desculpa-se de maneira refinada. Isso é o que ainda me faz responder seus questionamentos com paciência, não há como ficar irritada com alguém tão doce.
     Além do mais, nunca se sabe, os anos correm soltos, a idade avança, a memória nunca avisa quando vai embora, será que um dia eu também estarei ligando para alguém, nem que seja somente para dizer que foi engano? Tomara que do outro lado da linha eu encontre uma pessoa com voz cativante, disposta a ouvir e a responder às minhas dúvidas, geralmente, tão simples e repetitivas no entardecer da vida.


Direitos Reservados

30 comentários:

✿ chica disse...

Interessante isso, mas acontece mesmo!!!
E seria tão fácil pra ela anotar que esse número não é o que ela procura.

Mas quem sabe, ela precisa alguém pra falar,sr beijos, desde já desejo um lindo e feliz NATAL!!! chica

Majoli disse...

Ao te ler Néia, me lembrei de minha mãe, que muitas vezes me liga, mesmo sem ter nada especial para dizer, só pra mandar embora a solidão que toma conta dos dias dela.
Em algumas ligações, repete assuntos já antes comentados, mas dou a maior atenção, como se fosse a primeira vez que ela me falasse aquilo.
Fico a pensar, será que quando eu estiver na idade dela, 85 anos, e ligar para um filho meu, serei bem acolhida?

Outra coisa, sempre que passo em frente a um asilo que tem aqui perto de casa, uma linda senhora de cabelos branquinhos, me sorri, me acena, como se eu fosse uma velha conhecida dela.
Retribuo e saio sorridente sabendo que a fiz feliz por uns instantes.

Desculpe falar demais...rsrs.

Beijos de uma deliciosa semana pra ti.

Paullo disse...

Adorei o blog, os textos, a estética, tudo...parabéns! Sorte minha ter encontrado um espaço tão aconchegante...já estou seguindo e pretendo voltar sempre, se puder me dar uma força também e seguir eu ficaria grato...
www.paullolenore.blogspot.com

BIA disse...

Oi Néia!!!

É uma situação bem engraçada, também já aconteceu comigo algo parecido. Da até curiosidade de conhecê-la, né? Tua descrição faz a gente imaginar perfeitamente como seria esta pessoa.
Esta semana vai ser meio corrida em função do natal mas espero ter tempo de dar uma passadinha para desejar BOAS FESTAS, mas já vou desejando um abençoado Natal pra você e sua família!!!
Bjs
Bia :)

Bixudipé disse...

rs...
A crônica/conto é muito divertida - ao por-se na situação. Mas, trás um ensinamento valioso, não?
Adorei!

Abração,

Rodrigo Davel

Suzy Rhoden disse...

Néia, que texto interessante! Tua gentileza com a senhora me encantou, que bom se pudéssemos ser todos assim: pacientes e educados, mesmo diante das situações indesejadas.
A crônica me fez lembrar de uma colega de apartamento, jovem, mas que entrou em depressão durante a faculdade e precisou dos nossos cuidados. Todos os dias ela ligava para o pai, que morava distante, mas como aconteceu com essa senhora, ela registrou o número errado na mente e não tinha quem a fizesse acreditar que o problema estava no número: sempre pedia para o senhor que atendia do outro lado chamar seu pai. Ele, assim como você, foi incansavelmente gentil e se tornou para ela um amigo, alguém para quem ligar naqueles difíceis momentos da vida.
Continue sempre gentil com a senhora, talvez você esteja fazendo maior bem a ela do que a própria Adelina faria... Nunca se sabe!!!

Beijo carinhoso, e meu desejo de um Feliz Natal pra você e família.

Vivian disse...

Ah!Néia!!!!

Tua sensibilidade assim como teu talento em escrever é um presente!!!!Me emocionei muito(minha vó,faz destas as vezes...isso quando fala comigo um tempão e depois percebo que ela não sabe que sou eu!!rsrs).
Que um doce engano assim,sempre encontre um coração bondoso para responder ocm paciência e delicadeza!Tena a alma graciosa minha linda!Uma lady!beijos com carinho!!!
Tudo de bom!!!!

Rô... disse...

oi Néia,

difícil conviver com o tom amarelado das folhas já bem maduras,
que os anos deixaram marcadas,
que bom quando do outro lado da linha,
encontramos alguém que se preocupa em ao menos nos dar
um pouquinho do seu tempo
e da sua atenção...

adorei!!!

beijinhos

Mariazita disse...

Querida Néia

Perdão pelo “copy & paste”, mas não dá para individualizar…
Trago votos de BOAS FESTAS, fazendo minhas as palavras de Gandhi…
“Se eu pudesse deixar algum presente a você, deixaria aceso o sentimento de amar a vida dos seres humanos;
A consciência de aprender tudo o que for ensinado pelo tempo afora;
Lembraria os erros que foram cometidos para que não mais se repetissem;
A capacidade de escolher novos rumos;
Deixaria para você, se pudesse, o respeito àquilo que é indispensável:
Além do pão, o trabalho; Além do trabalho, a acção.
E, quando tudo mais faltasse, um segredo:
O de buscar no interior de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída."
(Gandhi)

BOM E SANTO NATAL E FELIZ ANO NOVO

Beijinhos

Clau disse...

De uma criatura tão querida e sensível como Néia Lambert,não se poderia esperar outra coisa:delicadeza.
Sorte da senhorinha que é acolhida com carinho e respeito (mesmo via telefone!).
Não há como ser rude e grosseira com uma pessoa doce,isso é fato.Mas tem um monte de gente sem paciência,o que é lamentável.

Bjs Néia :)
Uma linda semana,e desde já um Natal abençoado pra vc,seus familiares e amigos!

Misturação - Ana Karla disse...

Néia,
Quero desejar-lhe um Natal alegre e muitas felicidades no Novo Ano para você e os seus.
Xeros

Anônimo disse...

VAi ver a irma Adelina nem existe. A velhina liga e pra falar com voce...
inaier.blogspot.com

Vivian disse...

Bom dia,Néia!!!

Não sei se vais tirar uns dias, então vou deixar meus votos de um FELIZ NATAL!!Que possa ser de muita luz,paz e amor, para você e os seus!!
Beijos com muito carinho pra ti querida amiga!!!!
Que a luz do natal esteja sempre presente na sua vida!OBRIGADA!!!!!

Vinicius.C disse...

Olá seu blog é mesmo muito bom- um prazer estar aqui!

Desejo um feliz Natal e podendo venha conhecer o Alma! Beijo

Mônica Bif disse...

Olá querida Néia!!! Lindo, emocionada com a perfeição dessas palavras tão verdadeiras e doces! Tens toda razão, hoje são eles, amanhã quem não dirá que poderá ser nós, perdidos em meio a números e confusos com nossas anotações?! Ainda mais no mundo de hoje com a tecnologia se tornando tão obsoleta, quando ficarmos velhos, o e-mail, os smartphones, as redes sociais serão pra nosso netos tal qual foi a máquina de escrever ou os pergaminhos do antigo Egito pra nós hoje, Rsss. É a realidade... Tomara a Deus que quando chegar a nossa vez, do outro lado da linha esteja alguém disposto a nos ouvir, com paciência pra nos acolher, mesmo em meio a dificuldades pra entender certas coisas. Néia querida, lhe desejo um Feliz Natal, e um Ano Novo maravilhoso! Que Deus te abençoe, e a toda sua família, preencha seu coração sempre com alegria terna, e possibilite ainda muitas postagens como essa aqui no seu cantinho, onde agente vem e é inundado com tanta beleza e poesia! Bju amada, tudo de bom pra vc!

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Um santo e abençoado Natal junto aos seus queridos!!!
Que o Menino Deus esteja em seu coração plenificando-o de ternura!!!
Bjm natalino

Tais Luso disse...

Beleza de texto e de como você se comporta com esta senhora! E não são muitas pessoas que teriam esta paciência... E exatamente isso: A Adelina poderá ser nós amanhã. E não podemos descartar de que este papinho, ao telefone, não faça a pobrezinha um tanto menos amarga, esquecida, carente... Que sabe lá!

Grande beijo e Boas Festas a você junto aos seus familiares.
Tais Luso

Tetê disse...

Oi, querida... Eu tenho um carinho enorme pelos idosos... Na minha caminhada, passo por varandas e em muitas vejo idosos sentados olhando ao léu e eu passo e dou "bom dia" ou "boa tarde". Um dia minha irmã me acompanhou e questionou se eu conhecia aquelas pessoas. Conheço de vista, nem sei seus nomes, mas não me custa dar um cumprimento, né? Obrigada pela visita ao Livre Pensamento! Fico feliz de encontrá-la em meu cantinho! Bjks e FELIZ NATAL! Tetê

CLEMENTE GERMANO MULLER disse...

Boa noite querida amiga Néia.

Estivemos juntos por mais um ano, para minha alegria, no blog, no facebook, no orkut, no e-mail, não importa, eu agradeço.

Há de ser o Natal um grande momento de paz. Há de ser o Ano Novo um tempo de amor.

Que a paz, o amor e a harmonia permaneçam em seus corações e seus lares.

Quando em minhas preces, agradeço por vocês existirem na minha vida, enxergo minha pessoa, tão frágil, tão “comum”, tão indignada com as coisas do mundo e me pergunto,como cheguei a vocês?

Sem planejar, até mesmo sem perceber, aumentou minha família.

Escuto um eco enorme à minha pequena voz... vocês apareceram na minha telinha, tão natural, tão espontâneo!

Chego a pensar que sempre foi assim. É assim!!!

Percebo ainda, que falamos em

Anas, Josés, Cecílias, Beths, Carminhas, Marias essa e aquela, Edisons, Eloys, Fátimas, Veras e tantos outros, como pessoas de minha maior convivência, na mesa do jantar, ou mesmo almoço.

Quero desejar agora;

Da minha família para a sua família, um FELIZ NATAL.

FELIZ ANO NOVO.

Que a paz do Natal se multiplique no ano que se inicia.

Obrigada por fazerem parte da minha vida.

DEUS os abençoe.

FIQUEM COM DEUS.

Em tempo: alô... alô.. quem fala... é a Néia... há, desculpe, foi engano. kkkk. Coisas do DNA.

Mara Melinni disse...

Linda crônica, Néia!
Saudade...
Desculpe pela ausência, tá?

Um bjo e meu desejo de que tenhas uma semana iluminada! =**

ONG ALERTA disse...

Obrigada por compartilhar este magnifico texto, beijo Lisette.

Diogo Didier disse...

Querida, obrigado pelo carinho da visita. Feliz Natal e um EXCELENTE 2011 prá vc e para todos aqueles que te circundam...bjoxxxx no coração!

Sonhadora disse...

Minha querida
Que o Natal traga todos os sorrisos...todos os sonhos...todas as emoções...que a plenitude do amor e
ilumine a vida com estrelas de esperança e nos faça acreditar num tempo de paz e prosperidade.
Desejo um Natal muito feliz...pleno de amor e paz junto de todos que amas.

Beijinhos com carinho
Sonhadora

Valéria disse...

Oi Néia!
Imagino minha sogra, que na sua solidão deve se refugiar nas palavras doces dos enganos quem sabe até propositais. A solidão é muito triste, ainda bem que existe anjos como você. Aproveito para te desejar um feliz natal cheio de alegrias, paz, amor e saúde anunciando um 2012 promissor.
Beijinhos!

Vera Lúcia disse...

Olá Nélia,
Que linda crônica!
Às vezes somos tão impacientes com estas ligações equivocadas! Nos termos em que foi colocada gerou uma boa reflexão.

Desejo-lhe um lindo Natal, repleto de esperanças, alegria e paz.

Que nesta noite cristã nosso olhar possa estar voltado para a real comemoração natalina, que é o nascimento de Cristo em nossos corações!

Beijos.

Sotnas disse...

Olá Néia, que tudo permaneça sempre muito bem contigo!

Quem sabe ela continua ligando justamente por esta paciência que tem para responder o mesmo questionamento equivocado em todo entardecer!
Quem sabe, o mundo esteja necessitando de seres assim feito esta senhora que insiste no equivoco como uma maneira de ser deveras feliz nos poucos instantes que conversa contigo, ou necessite o mundo também de pessoas feito você, dotadas de plena humanidade e respeito ao próximo, por sua capacidade de gostar e de fazer amizades, ainda que por um suposto equívoco. Um belo texto como sempre e este nesta época é deveras oportuno. Pois é, já imaginou se cada qual ligasse para um número conhecido ou não e conversasse por alguns minutos com o outro ser do outro lado, nem que fosse somente para ouvir o que desconhecemos. Precisamos nos reaproximar mais um do outro, humanos foram criados para viver em sociedade, opa, cá estou eu me excedendo, desculpe!

É que me empolgo lendo teus belos escritos. E assim me vou e deixo meu agradecimento por tuas gentis visitas e comentários e desejando sempre que você e todos ao redor tenham um natal e um próximo ano repletos de intensa felicidade, grato por tua amizade também, abraços e até mais!

Denise Portes disse...

Néia,
Essa é uma linda história sobre a solidão.
Um beijo
Denise

Camila Monteiro disse...

Ai que triste Néia... Espero que não seja carencia isso dela e sim um constante engano rsrsrs

ONG ALERTA disse...

Um ano novo repleto de sonhos, beijo Lisette!!!

Socorro Melo disse...

Olá, Neia!

Que gesto nobre, minha amiga! Se todos agissem assim, o mundo seria tão melhor. Uma das coisas que me assusta na velhice, é justamente a solidão.
Excelente a sua crônica. Parabéns!

Grande abraço
Paz e Bem!

Socorro Melo