21 de out de 2014

Amor


    Numa semana crucial na política brasileira e consciente da importância do voto, ainda assim prefiro falar de outro assunto, afinal desde o início desse blog jamais toquei nesse tema exaustivo e, no momento, tão irritante.

      Dessa forma, sem perder o senso da realidade, quero lembrar o amor e todos os seus coadjuvantes que, sem nenhum segredo, preenchem os momentos vazios com afetos, pessoas e atitudes, livrando  a alma da letargia da solidão.





Direitos Reservados

9 comentários:

✿ chica disse...

Certamente falar de e do amor é muiiiiiito mais gratificante e acrescenta em nossas vidas. A política e políticos? Só nos tiram, até a paciência!! bjs,chica

Wanderley Elian Lima disse...

O amor é o melhor remédio.
Bjux

Maria Célia disse...

Ah, Néia tem toda razão, falar de amor em todas as suas formas é muito mais gratificante, que ficar batendo nesta tecla chatíssima de política.
Beijo

Claudia disse...

Exatamente ...trazer energia boa para este mundo tão difícil e complicado...concordo! bjs

Camila Monteiro disse...

Falar de amor é mesmo bem melhor. Beijos.

pensandoemfamilia disse...

Boas palavras para um momento que nos encontramos sem caminhos de grandes esperanças. bjs

BIA disse...

Nem sei o que dizer Néia! Depois de tanta baixaria desta campanha eleitoral e da ditadura da corrupção instalada no poder com manipulação de pesquisas e mentiras só mesmo nos resta acreditar no amor de Deus (que possa haver uma intervenção divina na terra), porque a criminalidade, corrupção, violência e falta de respeito no Brasil está terrível! Até quando vamos ter que pagar impostos exorbitantes, tarifas, etc... para sustentar o roubo dos políticos e inflação que eles dizem não existir... que horror!Oremos!
Bjs

Suzy Rhoden disse...

Olá Néia!

Suas ideias sobre o amor vieram em boa hora, pois devido à política mal feita de nossos candidatos, o que se vê nestes dias é apenas falta de respeito e desamor - guerra declarada entre vitoriosos debochados e derrotados furiosos. Perdemos todos nós. A não ser que cultivemos novamente, com paciência, a linda sementinha do amor, sobre o qual falas aqui.

Bom retornar, beijos!

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida Neia
Simples assim...
Gostei muito!
Frutífero post...
Bjm fraterno