7 de mar de 2016

À margem



"Sentar-se na margem e ficar vendo o rio correr". Prof. Hermógenes usou essa frase em um dos seus maravilhosos livros que encantam pela sabedoria dos seus conselhos. O que ele quis dizer com isso?
Que não devemos mergulhar nas águas dos problemas alheios, nem absorver suas neuroses. À margem também conseguimos, com mais segurança, analisar, aconselhar, mostrar uma direção, sem corrermos o risco de morrermos afogados na ansiedade dos outros.



Direitos Reservados

4 comentários:

Maria Célia disse...

Olá Néia
Oxalá consigamos fazer isto sempre, às vezes nos deixamos envolver pelos perrengues alheios.
Beijo

pensandoemfamilia disse...

PERFEITO. NA MINHA ÁREA PROFISSIONAL, SEI O QUANTO ESTA POSTURA É IMPORTANTE PARA O PROCESSO TERAPÊUTICO.
Aproveito para parabenizá-la pelo dia de hoje. bjs

Meri Pellens disse...

Exatamente, Néia! E tbm na margem, observando o rio passar, nos interiorizamos e somos levados à meditação, recebendo luz e entendimento para diversas realidades da vida.
Bjoka!
https://meripellensmix.wordpress.com/blog/

Suzy Rhoden disse...

Olá Néia!
Tens toda razão, observar da margem é a melhor maneira de realmente ajudar alguém que recorra a nossa sabedoria para vencer seus problemas. Até porque, não seria útil duas pessoas morrendo afogadas juntas nas mesmas dores e mágoas! A de fora aponta soluções, dá diretrizes de acordo com seu ângulo de visão. Mas cabe àquela que se afoga escolher ouvir ou não tais conselhos.
Adorei, como sempre!
Beijos.